Ver noticia


Sócios vieram do Recife (PE) para conhecer o CAT do Caju e torcer pelo Furacão

Sócio Furacão 07/04/2018 18:59

Dois atleticanos viajaram cerca de 2.500 quilômetros para participar do tour dos Sócios Furacão pelo CAT Alfredo Gottardi, neste sábado (7). Cesar Aziul Nedopetalski e seu filho Caio Cesar Nedopetalski vieram do Recife (PE) para conhecer pessoalmente a melhor estrutura do futebol brasileiro e torcer pelo Rubro-Negro na final do Campeonato Estadual.
 
Cesar e Caio são naturais de Curitiba, mas vivem na capital de Pernambuco há 13 anos. E mesmo morando longe, nunca deixaram de ser Sócios do Atlético Paranaense. Foi Caio quem, através das mídias sociais, entrou em contato com o Clube, revelando o desejo de conhecer o CAT do Caju. O pedido foi encaminhado à equipe do Espaço Sócio Furacão e eles foram convidados para participar do tour deste fim de semana.
 
A viagem foi longa, mas pai e filho não se arrependeram. “Só conhecíamos o CAT por fotos e reportagens. Mas eu não imaginava a grandiosidade e a organização. Não existe igual. O Atlético está de parabéns. Valeu muito a pena”, disse Cesar. “É uma coisa que você só tem ideia conhecendo pessoalmente. De fora não dá para ter noção. Fico até sem palavras quando vejo uma estrutura deste tamanho”, ressaltou Caio.
 
No Recife (PE), a família atleticana faz questão de acompanhar o Furacão de todas as formas possíveis. “Assistimos a todos os jogos pela televisão e quando o Atlético vai para o Nordeste, sempre estamos juntos. Pegamos o carro ou avião e vamos para Fortaleza, Salvador, Natal”, contou Caio.
 
Após o passeio pelo CAT do Caju, Cesar e Caio se preparam para assistir ao Atletiba decisivo do Campeonato Paranaense, neste domingo (8), no Caldeirão.
 
“Eu sou Sócio desde a época da antiga Baixada e não poderia deixar de ser mesmo morando longe. Não posso vir a todos os jogos, mas o importante é ajudar o Clube e ter a certeza que, quando a gente vem para Curitiba em um fim de semana como este, com decisão de campeonato, nosso lugar está garantido, sem a preocupação de enfrentar fila para comprar ingresso nem correr o risco de ficar fora. Por isso, mantemos nossas duas cadeiras e vamos continuar ajudando o Clube”, garantiu Cesar.